O Serviço Europeu de Polícia (Europol) anunciou hoje a detenção de 271 pessoas pertencentes a grupos organizados que se dedicavam ao furto de metais na Europa, nomeadamente em Portugal.

A operação policial de dois dias foi realizada em 20 países europeus, entre quais Portugal, e permitiu também a identificação de 146 casos de roubo de metal e o controlo de 8.300 sucateiros, refere a Europol num comunicado divulgado na página da Internet.

Segundo a Europol, a operação realizou-se em depósitos de ferro-velho, obras de construção, estradas de fronteira, vias ferroviárias e outros «pontos quentes» para o furto de metal.

Durante a operação, que se realizou em finais de maio e foi dirigida pela polícia federal e judicial da Bélgica, foi feito um controlo cruzado, em tempo real, com a base de dados da Europol.

O organismo europeu sublinha que o metal roubado é, muitas vezes, transportado através de várias fronteiras e vendido em sucatas ou para reciclagem, «longe da cena do crime».

O diretor da Europol, Rob Wainwright, destacou que o furto de metais «não é um crime sem vítimas», podendo ter «um impacto devastador nas pessoas, comunidades e empresas».

«O prejuízo global causado pelo furto de metal excede em muito o valor do próprio metal roubado e pode afetar gravemente infraestrutura e serviços, como ferrovias e redes de telecomunicações. Este crime só pode ser combatido através de cooperação policial transfronteiriça e utilização de sistemas de informação da Europol», adiantou o mesmo responsável.

As informações recolhidas durante a operação vão ser ainda analisadas pela Europol para identificar o «modus operandi» destes grupos e as pessoas envolvidas neste comércio ilegal.

Em abril, a Europol realizou uma conferência sobre o roubo de metais, tendo surgido desta iniciativa a operação conjunta entre as autoridades de 20 países europeus, entre os quais Portugal.