A Polícia de Segurança Pública (PSP) destruiu 21 mil armas desde o início do ano, sendo que 71% eram armas de fogo e as restantes armas brancas, anunciou hoje aquela força de segurança, em comunicado.

De acordo com a PSP, a quinta ação de destruição de armas deste ano decorreu na quinta-feira, em instalações próprias, tendo sido destruídas mais de três mil e duzentas armas, a maioria das quais de fogo, longas (espingardas e caçadeiras).

A ação foi desenvolvida pelo Departamento de Armas e Explosivos da Direção Nacional da PSP.

“O armamento destruído resulta de apreensões feitas, a nível nacional, pela PSP e demais autoridades policiais, no âmbito de processos-crime (em especial crimes violentos), de contraordenação ou administrativos, em que as armas foram declaradas perdidas a favor do Estado”, adianta aquela força de segurança.


Segundo a PSP, no lote de armas destruídas estão também aquelas que são voluntariamente entregues ao Estado pelos seus detentores ou por quem as encontra.

A PSP explica também, no comunicado, que as “armas foram destruídas preventivamente, por se encontrarem degradadas e se revelarem inúteis para a atividade operacional, formativa, cultural, museológica ou outra das forças de segurança”.

“Para além da destruição, as armas perdidas a favor do Estado, quando reúnam condições para tal, podem ser afetas a outras finalidades, tais como a atividade operacional da PSP, formação, exposição em museu, entrega a outras forças de segurança ou venda em leilão a quem possua licença para a sua detenção”, salienta a PSP.