Um militar da Força Aérea Portuguesa desertou e foi combater para a Síria. Mário Nunes, 21 anos, partiu para o Curdistão e já ingressou na YPG, uma milícia curda queluta contra o Presidente sírio Bashar al-Assad e contra o Estado Islâmico.
 
De acordo com o «Jornal de Notícias, o soldado da Base Aérea 11, sediada em Beja, é dado pela Força Aérea Portuguesa como em «situação de ausência ilegítima» desde o dia 14 de fevereiro e passou a partir de terça-feira a ter o «estatuto» de desertor. Terá ingressado no YPG, uma milícia que combate o Estado Islâmico.

Na página de Facebook, o jovem informa, a 10 de fevereiro, que ingressou na YPG (Unidades de Proteção Popular) e anexa algumas imagens de homens armados empunhando a bandeira desta organização.

Ainda de acordo com o «Jorna de Notícias», no ano passado, Mário Nunes esteve na Turquia e no Iraque, de onde trouxe uma tatuagem que dizia «morte aos americanos» em árabe. Questionado por um colega acerca da mensagem, o jovem terá respondido que era para despistar.