A associação Projeto J - Viver, Educar Mudar! alertou para o «depósito ilegal» em S. Pedro da Cova, Gondomar, de materiais com amianto, vincando que a situação se repete «há anos».

Em declarações à agência Lusa, um dos responsáveis por esta associação, Nelson Vidal, garantiu que têm sido detetadas placas de amianto, algumas partidas e «em grave estado de degradação», em vários locais da localidade, nomeadamente «junto a zonas habitacionais».

«Infelizmente, em S. Pedro da Cova, há de tudo: placas em zonas menos utilizadas, onde só passam pessoas ao fim de semana para fazer caminhadas, mas também em áreas habitacionais, como é o caso da zona do Passal. Esta situação repete-se há anos», disse Nelson Vidal.

A associação Projeto J, que tem sede na União das Freguesias de Fânzeres e São Pedro da Cova, decidiu denunciar esta situação agora por estar «preocupada» com as placas de amianto «devido à sua conhecida perigosidade para a população que mantenha um contacto direto com este tipo de material», conforme se lê num comunicado.

«Por esta altura, é efetivamente do conhecimento geral que as estruturas contendo amianto são realmente perigosas devido á possibilidade de inalação das suas fibras, que podem alojar-se nos pulmões e lá permanecerem durante anos», continua o documento.

Nelson Vidal explicou, à Lusa, que esta tomada de posição pública, tem como objetivo «alertar as autoridades locais e nacionais, nomeadamente a câmara de Gondomar e a Agência Portuguesa do Ambiente, bem como informar a população».

O comunicado da associação Projeto alude à portaria n.º 40/2014, de 17 de fevereiro, que estabelece as normas para a correta remoção dos materiais contendo amianto, assim como para o acondicionamento, transporte e gestão dos respetivos resíduos.

Acrescenta que no distrito do Porto, existem operadores vocacionados a receber este tipo de resíduos nos concelhos da Trofa, Gaia e Póvoa de Varzim, como contou à Lusa.