Mortes superaram nascimentos em Portugal

Números apontam para tendência de envelhecimento da população

Por: Redação / HB    |   11 de Setembro de 2008 às 18:40
Pela primeira vez em 90 anos, o número de mortes registadas em Portugal foi superior aos nascimentos, segundo os indicadores demográficos relativos a 2007 divulgados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), noticia a Lusa.

No ano passado morreram em Portugal 103.512 pessoas, enquanto o número de nascimentos não foi além dos 102.492, dados que traduzem um saldo natural negativo, na ordem dos 0,01 por cento.

As estatísticas confirmam o abrandamento do crescimento populacional e a tendência de envelhecimento demográfico, já que diminuiu, mais uma vez, o número de nados vivos (menos 2.957 do que em 2006), aumentando o número de óbitos (mais 1.522).

Imigrantes impendem taxa negativa

De acordo com o INE, a taxa de crescimento efectivo fixou-se nos 0,17 por cento, só não sendo negativa devido ao ligeiro aumento da população imigrante no país, que no ano passado cresceu 0,18 por cento.

Até agora, só uma vez, em 1918, coincidindo com a gripe espanhola, o número de mortes registadas em Portugal tinha sido superior ao de nascimentos.

No total, no final de 2007 residiam em Portugal 10.617.575, dos quais 446.333 imigrantes legais. Entre os residentes, 15,3 por cento eram jovens com menos de 15 anos e 17,4 por cento idosos com mais de 65.

«A população residente em Portugal tem vindo a denotar um continuado envelhecimento demográfico, como resultado do declínio da fecundidade e do aumento da longevidade», salienta o INE.

1,33 filhos por mulher

O índice de fecundidade foi de 1,33 crianças por mulher, face a 1,36 registado no ano anterior e muito longe das 2,1 necessárias para assegurar a substituição de gerações. Já a idade média da mulher ao primeiro filho aumentou ligeiramente, fixando-se nos 28,2 anos.

A diminuir está também o número de casamentos: no ano passado, foram celebradas 46.329 cerimónias, menos 1.528 do que em 2006.

Já os divórcios continuam a aumentar, tendo sido decretados 25.255, mais 1.320 do que no ano anterior. Em média, os casais que pediram o divórcio estavam casados há 14 anos.
Partilhar
EM BAIXO: Bebé
Bebé

COMENTÁRIOS

PUB
Taxa de crianças em instituições é um «escândalo»

Apenas 4% das crianças estão em famílias de acolhimento. Em Espanha são 30% e já é «um escândalo», alerta presidente da Associação «Mundos de Vida». Número pode muito bem ser invertido porque «não há crianças que ninguém quer, apenas famílias que ainda não foram encontradas». Já o presidente da Cáritas deixa uma pergunta: «O que é feito da família em Portugal? Neste momento nem uma secretaria de Estado da família temos»