Danae Stratou, casada com o ministro grego das Finanças, Yanis Varoufakis, é uma das artistas convidadas para participar na conferência internacional sobre "Arte Contemporânea e Museologia", na quarta-feira, em Vila Nova de Cerveira, disse à Lusa a organização.

Segundo fonte da Fundação da Bienal de Cerveira, a artista grega, no âmbito da conferência "A produção e musealização da obra de arte em formato digital", vem apresentar o seu trabalho, "que se centra essencialmente em instalações vídeo".

Danae Stratou "irá apresentar duas obras em suporte digital, uma delas com textos de Yanis Varoufakis, ministro das Finanças do Governo grego".

O trabalho de Danae Stratou "caracteriza-se pelo uso de vários meios de comunicação a partir de elementos naturais, de tecnologias digitais como vídeo, fotografia e som, bem como texto, componentes de arquitetura ou construções de metal, criando assim ambientes e instalações audiovisuais táteis".

A conferência, que vai decorrer no Fórum Cultural de Cerveira, às 15:30, contará ainda com a participação da crítica de arte Fátima Lambert e da artista Margarida Leão que irá moderar os trabalhos.

Aquela iniciativa, promovida no âmbito do projeto "Bienal de Cerveira - 35 anos de valores culturais e arte contemporânea", e que será realizada em inglês, visa aprofundar a musealização de obras virtuais em suportes digitais, nas suas várias abordagens.

Além desta conferência, Danae Stratou, que já representou a Grécia na 48.ª Bienal de Veneza e é desde 2010 cofundadora da "Vital Space", uma plataforma global e interdisciplinar de arte, vai também participar na Bienal Internacional de Artes de Vila Nova de Cerveira entre 18 de julho e 19 de setembro.

Com 37 anos de existência e 18 edições naquela mostra, com o tema "Olhar o passado para construir o futuro", Danae Stratou irá apresentar um trabalho em vídeo e texto dedicado ao tema da globalização.

A Bienal, a mais antiga do país, que se realiza desde 1978 em Vila Nova de Cerveira, distrito de Viana do Castelo, tem recebido, nas últimas edições, entre 80 mil a 90 mil visitantes, para ver obras de cerca de 250 artistas portugueses e estrangeiros.

Com um orçamento anual que ronda os 500 mil euros, a bienal envolve um concurso internacional aberto a artistas portugueses e estrangeiros, cujas inscrições deste ano terminaram a 14 de março, e a participação de 15 instituições do ensino superior das áreas artísticas.

Atribui em todas as edições um primeiro prémio, um prémio revelação e, este ano, terá um prémio do Instituto Português do Desporto e Juventude para um artista com idade até 30 anos.

Além da exposição das obras, o programa vai incluir conferências, debates, ateliês, visitas guiadas e espetáculos de luz e som.

A mostra tem o apoio do Programa Operacional da Região Norte e conta, no Museu de Arte Contemporânea de Cerveira, com um acervo com cerca de 500 obras.