Os museus do país registaram 11,1 milhões de visitantes em 2013, mais cerca de um milhão do que no ano anterior, de acordo com os dados divulgados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Para fins estatísticos, o INE considerou 353 museus do país, das áreas da Arte, Arqueologia, Ciências Naturais e de História, Técnica, Etnografia e de Antropologia, e ainda especializados, pluridisciplinares e de território.

Ao todo, foram contabilizados 11.062.584 visitantes no ano passado, mais 995,7 mil do que em 2012, e os mais visitados foram os museus de História (2.786.350 visitantes), seguidos dos de Arte (2.716.169), dos especializados (1.774.447) e, finalmente, dos de Ciências e de Técnica (1.231.074).

Do total de visitantes, 34,9% eram estrangeiros (3,9 milhões) e 14,5% visitantes inseridos em grupos escolares, mais de metade (51,4%) visitaram as exposições temporárias e 35,9% entraram gratuitamente.

Tomando como referência o número médio anual de visitantes (31 mil pessoas), os Museus de Etnografia e de Antropologia e os Museus de Ciências Naturais e de História Natural foram os que apresentaram menor número médio anual de visitantes, cerca de sete mil e 11 mil, respetivamente.

De acordo com o INE, o universo dos museus analisados dispunha de 23,1 milhões de bens no seu acervo e, deste total, 27,8% eram «bens bibliográficos e arquivísticos» e 19,1% «bens arqueológicos».

Os «bens artísticos e históricos» representavam 10,4% do total, enquanto 34,1% eram «outros bens», nos quais estão incluídos os bens de filatelia e de fotografia.

Do acervo registado, 42,8% dos bens pertenciam aos Museus de Ciências e de Técnica, 15% aos Museus do Território e 11% aos Museus de Arte.

O INE analisou ainda as exposições temporárias realizadas em 2013 num universo de 1.050 galerias de arte e outros espaços.

No total, nestes espaços - localizados sobretudo nas regiões de Lisboa (61,4%) e do Norte (28,9%) - foram realizadas 7.149 exposições temporárias, das quais 57,1% eram exposições individuais.

Do total de obras expostas (268.065) destacaram-se as de Pintura (18,9%), Fotografia (13,8%), Decoração/artesanato (9,6%), Equipamento/instalação (8,4%) e as de Colecionação (7,9%).

Nas galerias comerciais, cerca de metade (48,2%) das exposições promovidas foram de Pintura.