Advogados do processo «Noite Branca», relativo ao homicídio do segurança Ilídio Correia em Novembro de 2007, querem a sua acusação revista e requereram a abertura de instrução, adiantaram fontes judiciais, refere a Lusa.

As mesmas fontes esclareceram que os mandatários pediram abertura de instrução no âmbito dos crimes de tráfico de droga que também fazem parte do processo.

A acusação contra 11 arguidos foi deduzida pelo Ministério Público a 16 de Dezembro de 2008, mas apenas cinco são responsabilizados directamente pelo homicídio qualificado de Ilídio Correia: Bruno P. (Pidá) - alegado líder do grupo de seguranças da Ribeira -, Mauro S., Fernando M. (Beckham), Ângelo T. (Tiné) e Fábio B.

Um sexto arguido, que foi detido numa operação realizada na Madeira, está acusado de ter fornecido a droga apreendida durante a operação «Noite Branca», a 16 de Dezembro de 2007.

Ao conjunto dos 11 arguidos são imputados mais de cem crimes, desde homicídio qualificado a detenção ilegal de arma e tráfico de droga.

Ilídio Correia, segurança de 33 anos, foi morto a tiro na madrugada de 29 de Novembro de 2007 junto à Alfândega do Porto.