"A ação respeita à trágica morte de uma criança que caiu no depósito de água do sistema de combate a incêndios dos edifícios", refere o documento.


"A ação conclui em suma que os réus, proprietários das frações autónomas, não eram contudo os proprietários do reservatório, título que legitimara a sua demanda na ação", concluiu.