O Tribunal Criminal de Lisboa condenou cinco arguidos a penas entre os 10 e os três anos e meio de prisão efetiva por tráfico de droga e associação criminosa, informou hoje a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Segundo o sítio da PGDL na internet, o julgamento incidiu sobre uma «rede transnacional de tráfico de estupefacientes» liderada em Portugal por «indivíduos naturais da Nigéria e da Serra Leoa» e que utilizava «"correios" de droga portugueses».

A um dos cinco condenados em Portugal, o Tribunal Criminal de Lisboa aplicou ainda penas por posse de arma ilegal e munições.

A rede operava em países da América Latina e a droga era transportada para a Europa, África e Ásia através dos "correios", lê-se no sítio da PGDL, que acrescenta que o julgamento culminou uma investigação que durou perto de 22 meses.

Dos sete indivíduos julgados em Portugal, dois eram os responsáveis pelo núcleo em Portugal, refere o site da PGDL, acrescentando ainda que dois arguidos foram absolvidos com base no princípio «in dubio pro reu».

No âmbito desta rede, foram também detidos 12 cidadãos no estrangeiro, que cumprem penas entre os cinco e os 10 anos de prisão em cada um dos países em que foram presos - Bolívia, Brasil, Espanha, Peru, Japão, Suíça e França, refer o documento.

Segundo a PGDL, as detenções dos membros da rede permitiram apreender perto de 44 quilogramas de cocaína e de anfetaminas.

O acórdão do Tribunal Criminal de Lisboa data de segunda-feira passada, lê-se ainda naquela página da internet.