logotipo tvi24

Polícia de choque faz levantamento de rancho contra Magina da Silva

Cerca de 70 elementos do Corpo de Intervenção estão em protesto contra as alterações de escala na PSP

Por: Redacção    |   2011-01-18 17:23

Cerca de 70 elementos do Corpo de Intervenção (CI) de Lisboa fizeram esta terça-feira um levantamento de rancho e decidiram almoçar piza em protesto contra as novas regras de regresso ao trabalho depois das férias e folgas.

Uma fonte policial explicou à agência Lusa que há poucos dias o comandante da Unidade Especial de Polícia, em que está integrado o CI, decidiu mudar as regras sem dialogar com os profissionais.

«Mudaram a regras das folgas e das férias sem falar com ninguém e sem que isso traga nenhuma mais -valia ao serviço», explicou a fonte.

«As regras foram impostas sem ouvir os profissionais. Há pouco diálogo a nível dos comandantes locais, alteraram as regras sem informar previamente e hoje cerca de 70 polícias, por livre iniciativa, decidiram não almoçar», adiantou.

A Lusa contactou com o presidente da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP), que corroborou a situação e disse que tem estado em contacto com a Direcção Nacional da PSP para que seja encontrada uma «solução viável».

«Os profissionais do CI estão desagradados com estas alterações, para as quais não foi dada justificação e que os obriga a ir trabalhar mesmo nos dias em que o seu sub-grupo está de folga, sem que isso traga nada de benéfico para o serviço», referiu Paulo Rodrigues.

Agora, a ASPP espera que seja encontrada uma «solução viável» com a Direcção Nacional da PSP, até porque tem «muitas dúvidas sobre o enquadramento legal da medida».

Entretanto, fonte do CI disse que já foram contactadas instituições de solidariedade para receberem as 70 refeições que já tinham sido confeccionadas.

A Lusa contactou a Direcção Nacional da PSP para mais esclarecimentos, mas até ao momento não obteve resposta.

Partilhar
EM BAIXO: Cimeira da NATO em Lisboa
Cimeira da NATO em Lisboa

Casa Pia: confirmada absolvição dos arguidos dos crimes de Elvas
Foi confirmada a absolvição dos arguidos Hugo Marçal, Carlos Cruz, Carlos Silvino e Gertrudes Nunes no processo da «Casa de Elvas»
Professores com cinco anos de contrato passam a efetivos
«Esta é uma boa novidade para os professores», afirmou o ministro da Educação, Nuno crato
Rui Machete presente na canonização dos papas João XXIII e João Paulo II
O ministro vai encontrar-se com os cardeais José Saraiva Martins e Manuel Monteiro de Castro e com o bispo Carlos Azevedo