“O Serviço Europeu de Ação Externa irá estudar a possibilidade de uma operação, no quadro da Política Comum de Segurança e Defesa, cujo mandato permita a identificação, a captura e a destruição das embarcações utilizadas por estas redes criminosas”, recordou o ministro na intervenção inicial, onde não deixou de recordar a “participação ativa” de Portugal nas várias operações do “Frontex” no Mediterrâneo.