O Ministério Público (MP) pediu o julgamento de quatro arguidos pela prática dos crimes de contrafação de títulos equiparados a moeda, burla informática e falsidade informática, anunciou esta sexta-feira a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Os quatro arguidos, segundo a página da PGDL na internet, estão indiciados de que tinham acesso, de forma não determinada, a dados informáticos codificados das bandas magnéticas de 538 cartões de débito e de crédito dos sistemas Visa e Mastercard, emitidos por várias entidades americanas e indianas, associados a contas domiciliadas naqueles países.

Os homens gravavam depois os cartões, forjando cartões idóneos de modo a utilizarem-nos, tendo efetuado 1.259 transações ilícitas no valor de 108.440,54 euros, apesar de as transações efetivas se terem cifrado apenas em 30.158,15 euros.

Os arguidos colocaram em circulação cartões forjados pondo em perigo a credibilidade deste meio de pagamento e a segurança do comércio jurídico, lê-se na página da PGDL que a Lusa cita. 

Dois dos arguidos foram detidos a 18 de fevereiro último, quando se preparavam para fazer mais uma dessas transações, encontrando-se em prisão preventiva desde essa data.

Os factos ocorreram entre 29 de junho de 2014 e 18 de fevereiro último.

A investigação, a cargo da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da Polícia Judiciária (PJ), foi dirigida pelo MP na 3.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa (DIAP).