Um incêndio que deflagrou por volta das 23:00 de segunda-feira no Hospital da Horta, nos Açores, destruiu um equipamento de limpeza de gastroentrologia e poderá obrigar a alterar o local das consultas externas.

Segundo explicou à Lusa João Morais, presidente do Conselho de Administração daquela unidade de Saúde, o incêndio, que tudo indica ter tido origem num curto-circuito, provocou «estragos avultados» em equipamentos e libertou fumos em quase todo o edifício.

«Só de manhã poderemos fazer uma avaliação mais exaustiva dos estragos» adiantou João Morais, que admite que o funcionamento das consultas externas possa vir a ser alterado devido aos gases libertados durante o incêndio.

Apesar do aparato que o caso gerou, obrigando a mobilizar médicos, enfermeiros e pessoal auxiliar, além dos bombeiros e da PSP, não houve necessidade de evacuar o Hospital, embora alguns doentes tenham sido transferidos para outras unidades, como medida de precaução.

Várias pessoas envolvidas na operação tiveram, no entanto, de ser assistidas no serviço de urgência, e quatro bombeiros ficaram mesmo sob observação médica, devido à inalação de fumos.

O Hospital da Horta, um dos três hospitais dos Açores, está a sofrer obras de ampliação, embora não haja, aparentemente, qualquer relação entre o incêndio e os trabalhos de construção do novo bloco C.

Devido às obras, a boca de incêndio que se encontrava mais próxima da área consumida pelas chamas, não estava ainda a funcionar, situação que não terá prejudicado, mesmo assim, o trabalho dos bombeiros voluntários faialenses.