Um homem preso por um duplo homicídio foi hoje condenado, no Tribunal de Aveiro, a mais seis anos e meio de prisão, por ter praticado um assalto à mão armada a uma gasolineira, no IC2, em Albergaria-a-Velha.

O arguido, que já está a cumprir uma pena de prisão de 24 anos e oito meses, foi condenado por dois crimes de roubo agravado, um crime de roubo simples na forma tentada e outro de condução sem habilitação legal.

Em cúmulo jurídico, foi-lhe aplicada uma pena única de seis anos e meio de prisão.

O coletivo de juízes deu como provado que o arguido foi o autor dos factos constantes na acusação, mas não que estivesse acompanhado de um outro indivíduo, que veio a ser morto pelo mesmo, dois dias depois do assalto.

Também não foi dado como provado que tenha agido com o intuito de constranger as vítimas a não pedir ajuda, motivo pelo qual foi absolvido dos dois crimes de coação agravada de que estava acusado.

O arguido, que se remeteu ao silêncio durante o julgamento, foi ainda absolvido de um crime de detenção de arma proibida, por já ter sido condenado por este crime, no processo do duplo homicídio.

Segundo a acusação do Ministério Público, os factos ocorreram a 1 de dezembro de 2015.

O homem entrou armado nas instalações da gasolineira no IC2, em Albergaria-a-Velha, onde se apoderou de cerca de uma centena de maços de tabaco e 388 euros em dinheiro, fugindo do local numa viatura de um cliente.

Dois dias depois deste assalto, o arguido matou a tiro dois indivíduos, que se deslocaram à sua casa, em Assilhó, Albergaria-a-Velha para comprar ouro em troca de droga.

Um dos indivíduos morreu logo no pátio da residência, enquanto o outro conseguiu arrastar-se até um restaurante situado nas imediações, tendo sido perseguido pelo homicida que entrou no estabelecimento e apontou a arma aos clientes, dizendo-lhes para largarem os telemóveis e se deitarem no chão.

Depois de ter confirmado que o segundo indivíduo também estava morto, o arguido fugiu do local a pé, em direção a Aveiro, onde veio a ser intercetado por agentes da PSP cerca das 17:30 do mesmo dia, no interior de um café.