Os psicólogos alertam que o problema da colocação de professores pode arrastar-se no tempo, mesmo depois de já estar resolvido. Os especialistas dizem que a instabilidade gera stress e ansiedade, tanto nos alunos como nos professores.

O primeiro período já vai a meio e os 400 alunos da escola EB 2,3 Óscar Lopes, em Matosinhos, ainda esperam pelos professores de História, Português, Físico-química e Educação Visual. Um problema, alertam os psicólogos, que pode trazer consequências para além das curriculares: alunos desmotivados e professores com uma forte carga de stress e ansiedade.

Ou seja, «uma bomba-relógio que está nas mãos das escolas».Só esta segunda-feira é que os diretores escolares começaram a contratar os professores com base nas listas atualizadas da bolsa de contratação.

Mas, nem esse processo tem sido fácil, com alguns diretores escolares a queixarem-se que a aplicação informática não está a dar acesso a listas de determinados horários pedidos e nelas não constam alguns contactos telefónicos dos professores disponíveis.

Ainda assim, a Associação de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas acredita que a situação da colocação de professores pode ficar resolvida esta semana.