O Tribunal de Coimbra absolveu hoje o homem de 59 anos acusado de ter estrangulado e matado uma gata, com recurso a um fio de ‘nylon’.

Numa declaração curta, que durou menos de um minuto, o juiz José Carlos Ferreira informou que o arguido tinha sido absolvido, referindo apenas que determinados factos não tinham sido dados como provados no decorrer do julgamento, não se alongando na fundamentação da sentença.

O homem era suspeito de ter estrangulado uma gata, de nome Camila, a 23 de junho de 2016, que foi encontrada enforcada com um fio de ‘nylon' preso a um pau, no logradouro do prédio do arguido.

"Este senhor obviamente mentiu em Tribunal e ao juiz, designadamente que não estava [no local do crime], quando foi provado que estava", sublinhou a dirigente da associação Gatos Urbanos, Cristina Paula, frisando que o arguido, se não tivesse cometido o crime, "teria visto quem fez".

A responsável da Gatos Urbanos lamentou ainda que não se tenha feito "justiça por este animal".

Durante o julgamento, o arguido disse estar inocente e considerou que "tinha que estar doido" para cometer o crime.

O homem afirmou que estava a trabalhar em casa de um amigo durante a semana do crime e que chegava sempre à sua residência depois das 20:30 - após a hora do crime.

No entanto, ao contrário do que o arguido disse em tribunal, duas testemunhas ouvidas pelo juiz colocam o suspeito no local e na hora do crime, nomeadamente a dona da gata e a filha de um vizinho.

Quer a assistente quer a filha do vizinho relataram que já havia suspeitas de maus tratos a animais por parte do homem.

"Vamos ver se vamos avançar com um recurso", disse a dona da gata, Ondina Ferreira, considerando que "tinha alguma esperança de não ser este o veredicto final".

De acordo com a assistente, no julgamento ficou provado que o indivíduo estava no local à hora do crime.

Apesar de não haver prova direta, "havia indícios suficientemente fortes para ter outro desfecho", notou.

"Tive que vencer muitos percalços até chegar aqui [em fase de instrução o Ministério Público tinha pedido o arquivamento do processo]. Chegar até aqui já foi uma vitória. Nem isso era expectável e o julgamento correu bem, no sentido de que vi uma atitude diferente por parte da procuradora e do juiz, que tentaram compreender bem o que se passou", afirmou aos jornalistas, no final da leitura de sentença.

A agência Lusa não conseguiu obter qualquer comentário por parte do arguido, que abandonou o tribunal pouco tempo depois da leitura.