Um dos três acusados de incendiar a loja de móveis Conforama, em Vila Nova de Gaia, foi esta sexta-feira condenado a três anos e seis de prisão efetiva, tendo os outros sido absolvidos por falta de provas.

O coletivo de juízes tem a «certeza» que o jovem de 20 anos, ora condenado, participou no incêndio à loja comercial pelas declarações da então namorada, com quem trocou mensagens e imagens do crime, e pelas impressões digitais que apareceram no carro utilizado.

Os três homens vinham acusados de assaltar e incendiar as instalações da loja Conforama, na madrugada de 12 de fevereiro de 2014, tendo as chamas colocado em perigo as habitações existentes nas traseiras das instalações, obrigando à evacuação de três casas.

O valor dos prejuízos reportado ao valor dos bens que se encontravam para venda nas instalações foi de 1,5 milhões de euros. 

A reconstrução da loja Conforama, em Gaia, que reabriu no passado mês de novembro, custou nove milhões de euros.