A Câmara de Mogadouro está a proceder ao levantamento dos estragos provocados pelos ventos muito fortes que atingiram a vila ao final da tarde de domingo, motivando «prejuízos avultados», anunciou esta quarta-feira a autarquia.

«Após o levantamento dos estragos, que ainda está em curso, verificámos que foram danificadas estruturas de empresas situadas na zona industrial e o telhado de uma vacaria que foi completamente arrancado pelo vento. Placas e sinais de trânsito também não foram poupados à força da intempérie», disse à Lusa o presidente da Câmara de Mogadouro, Francisco Guimarães.

A autarquia já tomou medidas de «contingência e de prevenção» em outros locais que apresentam sinais de «derrocada», com incidência em muros e casas situadas na zona histórica.

Os prejuízos ainda não foram quantificados pelos serviços municipais de Proteção Civil.

Francisco Guimarães acrescentou que o município tentou obter um «relatório das condições sobre as condições meteorológicas adversas» verificadas nos últimos dias junto do Instituto do Português do Mar a da Atmosfera (IPMA), mas tal não foi ainda possível, dado que a estação meteorológica instalada em Mogadouro se encontra «inoperacional».

«O IPMA já confirmou que a estação meteorológica se encontra avariada e por esse motivo não foi possível fornecer um tempo útil os dados que nos permitam avaliar o fenómeno meteorológico que se abateu sobre Mogadouro», frisou o autarca.

O município solicitou ao Instituto Nacional da Água, que tem duas estações metrológicas no concelho de Mogadouro, elementos que permitam com «alguma exatidão» perceber o fenómeno meteorológico.