O porta-voz do Movimento de Utentes de Saúde, Manuel Villas-Boas, considerou esta quinta-feira «absolutamente inconcebível» a decisão da Administração Regional de Saúde do Norte de reduzir o horário de funcionamento de alguns centros de saúde.

«Já não basta os problemas que existem atualmente no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e, nomeadamente, nestas alturas mais críticas. É uma decisão absolutamente inconcebível. Essa é uma medida que vem a contraciclo. Não se admite», afirmou.

Na sua edição de hoje, o Jornal de Notícias revela que a ARS/Norte vai acabar, a partir de 01 de fevereiro, com o prolongamento de horário em dez unidades de saúde familiar com baixa procura.

Segundo o JN, que cita Rui Cernadas, do Conselho Diretivo da ARS/Norte, das 30 unidades de saúde familiar do Norte que têm prolongamento de horário, oito vão deixar de funcionar ao fim de semana e duas não estarão abertas depois das 20 horas. «São unidades com baixa atividade no horário de prolongamento e onde há alternativas», disse o responsável.

As USF que vão deixar de funcionar à noite e ao fim de semana fazem parte dos agrupamentos de centros de saúde do Alto Ave, Braga, Gaia/Espinho e Feira.

Para o porta-voz dos utentes de saúde «estamos a assistir a um descalabro autêntico, é uma vergonha, e os responsáveis por estas políticas devem ser criminalizados por elas».

Em seu entender, uma das razões para o que se passa nas urgências hospitalares tem a ver com o encerramento de centros de saúde: «Muitos já foram fechados e agora está-se a ver que em situações de urgência a tendência é para os utentes se dirigirem para os hospitais, entupindo as urgências».

«A situação de falecimento de pessoas é um ato criminoso, os responsáveis devem ser criminalizados por esta situação. É uma vergonha o que está a acontecer no país», frisou.

O responsável considerou «urgente o reforço de meios nos serviços de urgência hospitalares, nomeadamente, a contratualização a tempo inteiro dos profissionais necessários, médicos, enfermeiros, auxiliares e assistentes operacionais. O que tem havido são situações precárias, recorrendo a serviços de empresas».

Manuel Villas-Boas criticou ainda as «contradições» do Ministério da Saúde, que «numa semana disse que os horários dos centros de saúde iriam ser alargados, para ajudar a resolver o problema das urgências hospitalares, e na semana a seguir diz que vai reduzir. Em que ficamos?».

«Os utentes estão revoltadíssimos. A situação está-se a agravar por que já não são só os picos de afluência. Em situações normais o Serviço Nacional de Saúde também se está a degradar. As políticas seguidas pelo Ministério estão a resultar na destruição do SNS», acrescentou.

Citado pelo JN, o presidente da Associação Nacional das USF (Unidades de Saúde Familiares), Bernardo Vilas-Boas critica também a «política de desinvestimento nos cuidados de saúde primários» por conduzir «a uma maior procura das já saturadas urgências hospitalares e do setor privado».

Também o bastonário da Ordem os Médicos disse ao JN que «quem fecha serviços com base em médias não percebe nada de saúde. O sistema já colapsou, temos doentes a morrer sem assistência».