A primeira fase de candidaturas ao ensino superior contou com quase 50 mil estudantes, segundo dados da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES). Ao todo candidataram-se na primeira fase 49.655 estudantes, mais 1.349 jovens do que no ano letivo passado. 

Em 2015 também já tinha havido um aumento, até maior, de quase seis mil candidatos em relação a 2014.

Na primeira fase deste ano o primeiro dia (21 de julho) foi o mais concorrido, com mais de 10 mil candidatos. O fim de semana passado foi o que registou menos candidaturas e no último dia, na quarta-feira, foram registadas 1.456 candidaturas.

A segunda fase arranca em setembro, de 12 a 23.

Quantas vagas há?

No total, para o ano letivo que está quase a começar, há 50.688 vagas disponíveis nas universidades e politécnicos públicos, um ligeiro aumento face a 2015 e o primeiro em quatro anos. São, no total, mais 133 vagas em relação ao ano passado.

Olhando para cada uma das vias em separado, há 28.310 vagas (55,9%) no ensino universitário e 22.378 vagas (44,1%) no ensino politécnico. A distribuição mantém a proporção dos últimos anos.

E quantos cursos?

O próximo ano letivo tem 1.060 cursos disponíveis: 952 licenciaturas de 1.º ciclo, com 42.104 vagas, 101 mestrados integrados, com 8.418 vagas, e sete cursos preparatórios de mestrado integrado, com 166 vagas.

Engenharia e Saúde são duas das áreas de estudo que aumentam a oferta de vagas para a primeira fase do concurso de acesso ao ensino superior, em comparação com 2015, mas a tendência é para a estabilidade.

As candidaturas foram entregues online, no portal da DGES, com os candidatos a poderem autenticar-se com o cartão do cidadão.