Umas férias longe de quatro paredes e mais baratas. A lotação nos parques de campismo rondou os 100% em julho e assim se mantém em agosto, numa escolha mais económica para férias, tanto de portugueses como de estrangeiros, com Portugal a beneficiar da instabilidade vivida em outros destinos.

Segundo avançou à Lusa a diretora comercial da Orbitur, o maior grupo de parques de campismo em Portugal com 23 empreendimentos, “sente-se que as pessoas têm mais algum dinheiro no bolso em 2016, o consumo interno subiu e isso também se nota no turismo, nomeadamente na hotelaria de ar livre e a Orbitur não é exceção”.

De acordo com Beatriz Santos, no primeiro semestre deste ano, face a período homólogo anterior, verificou-se “mais dormidas de nacionais (+9,3%), mas também de estrangeiros (+16,8%), neste caso beneficiando da instabilidade por outras paragens muito devido ao terrorismo”.

Para a responsável, o ano de 2016 promete ser “bastante positivo” na taxa de ocupação dos parques de campismo, justificando que “o verão se tem revelado dos mais quentes dos últimos anos”.

Por seu turno, Miguel Santos da direção da Associação dos Parques de Campismo do Alentejo e Algarve, com 12 associados, avançou, igualmente, à Lusa que este ano “está a correr relativamente melhor do que no último ano”.

“Em julho e agosto a ocupação ronda os 100% no litoral alentejano, mas há zonas que, pelas suas características, nunca têm a lotação dos seus parques esgotada, como Beja e Évora localizadas mais no interior”, explicou Miguel Santos, lembrando que as duas primeiras semanas de agosto são aquelas em que “há maior pressão na taxa ocupacional, mas no final a ocupação já não é de tão grande afluência. São picos”, justificou.

Também Beatriz Santos sublinha que a “elevada sazonalidade” que marca o setor e a “excessiva concentração de férias dos portugueses em julho e agosto” faz com que a procura se concentre nestes dois meses.

De acordo com a diretora comercial, ao longo do ano de 2015 rumaram aos Parques Orbitur cerca de 300.000 pessoas, com uma permanência média anual inferior a quatro noites, chegando a uma semana completa ou mais no período de época alta.

Segundo a responsável, que refere dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), dos 246 parques de campismo e caravanismo nacionais 219 operam em Portugal continental, totalizando estes aproximadamente 1.110 hectares e uma capacidade instantânea prevista de aproximadamente 175.000 pessoas.

As dormidas totais de campismo em 2015 totalizaram 5,8 milhões, sendo a rede Orbitur responsável por cerca de 15,60%, de acordo com os dados do INE que a Lusa cita. 

Dos 23 empreendimentos turísticos que integram a cadeia Orbitur, 21 são parques de campismo, representando 9,59% da oferta total no território continental, correspondendo a 162 hectares (14,8%) para uma lotação de 27.500 pessoas (15,74%).