A Câmara Municipal de Lisboa assinou um protocolo com o Grupo Ativistas em Tratamento (GAT), no valor de 34 mil euros, que vai permitir a realização de consultas semanais de rastreio completo a doenças sexualmente transmissíveis.

Em declarações à Lusa, o vereador dos Direitos Sociais da Câmara de Lisboa, João Afonso, afirmou que o investimento da autarquia será de 34 mil euros e o protocolo, assinado no Dia Mundial de Luta Contra a Sida, vigorará por um ano.

"É um investimento mínimo e insignificante para o que está em causa", vincou, acrescentando que este apoio permite "condições mínimas e que o GAT tenha uma consulta de rastreio completo uma vez por semana".

O serviço de consultas de doenças sexualmente transmissíveis no CheckpointLx existia há três anos e foi encerrado no verão passado, por falta de verbas, já que o Estado deixou de o financiar em dezembro do ano passado.

Na opinião do vereador, "estes centros de porta aberta, anónimos, são essenciais para a prevenção e luta contra a sida", nomeadamente ao nível do processo de consciencialização e dos rastreios.

João Afonso destacou ainda o caráter voluntário das equipas médicas e de enfermagem que prestam serviços neste centro, pois, sem eles "não seria possível prestar apoio" a quem se desloca ao CheckpointLx.

O GAT deixou ainda um desafio para o município se juntar a uma rede de metrópoles "no combate contra o flagelo da sida", que João Afonso considerou que ser "um desafio a ponderar e assumir".

O serviço Checklist, consulta de doenças sexualmente transmissíveis, existiu três anos e funcionava no CheckpointLx, em Lisboa, tendo recebido, no decorrer desse período, cerca de 34 mil euros por ano, vindos do Ministério da Saúde, para pagar análises, reagentes e 'kits' médicos, a instituições públicas e a fornecedores.

O CheckpointLX é um centro dirigido a homens que têm sexo com outros homens, onde podem fazer o rastreio do VIH/SIDA e de outras doenças sexualmente transmissíveis de forma rápida, anónima, confidencial e gratuita, assim como ter acesso a aconselhamento e referenciação aos cuidados de saúde.

Segundo o GAT, enquanto funcionou, fez o rastreio a mais de mil homens, tratou mais de 300 infeções, e identificou 50 jovens em risco de cancro anal.

O centro foi elogiado pelo Centro Europeu para a Prevenção e Controlo de Doenças e pela Organização Mundial de Saúde.