Mais de 30 concelhos de Portugal continental estão em risco máximo de incêndio, sobretudo no Algarve e no interior Norte e Centro do país, segundo informação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

No Algarve estão com risco máximo de incêndio os concelhos de Monchique, Odemira, Portimão, Silves, Loulé, São Brás de Alportel, Tavira, Castro Marim e Alcoutim.

No interior Norte e Centro estão colocados em risco máximo de incêndio os concelhos de Torre de Moncorvo, Vila Nova de Foz Côa, Mêda, Trancoso, Figueira de Castelo Rodrigo, Pinhel, Celorico da Beira, Guarda, Sabugal, Penamacor, Fornos de Algodres, Gouveia, Seia, Manteigas, Covilhã, Arganil, Pampilhosa da Serra, Oleiros, Proença-a-Nova, Vila Velha de Rodão, Nisa, Marvão, Gavião, Abrantes, Ferreira do Zêzere, Vila de Rei, Vila Nova da Barquinha.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o "reduzido" e o "máximo".

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Portugal continental, o arquipélago da Madeira e o grupo central dos Açores apresentam risco muito elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV).

Para as regiões com risco muito elevado e elevado, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera recomenda a utilização de óculos de sol com filtro UV, chapéu, ‘t-shirt’, guarda-sol, protetor solar e evitar a exposição das crianças ao Sol.

O índice ultravioleta varia entre 1 e 2, em que o risco de exposição à radiação UV é baixo, 3 a 5 (moderado), 6 a 7 (elevado), 8 a 10 (muito elevado) e superior a 11 (extremo).

O calor extremo que se regista no país levou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) a colocar 11 distritos do continente sob aviso vermelho, o mais grave da escala.

Braga, Vila Real, Bragança, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Santarém, Lisboa, Setúbal, Évora e Braga são os distritos com uma situação meteorológica de risco extremo.

Este aviso implica recomendações à população para que se mantenha regularmente ao corrente da evolução das condições meteorológicas e para que siga as orientações da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

No resto do continente, os avisos são laranja, o que significa risco moderado a alto.

Para hoje, o IPMA prevê tempo excecionalmente quente, com céu pouco nublado ou limpo e condições favoráveis à ocorrência de trovoada.