O instrutor de artes marciais, detido nas Caldas da Rainha por suspeita de abusar sexualmente de crianças, vai aguardar julgamento em liberdade, mas o Tribunal de Leiria proibiu-o de se aproximar de menores de 16 anos.

O tribunal decretou também que o homem, detido por suspeitas dos crimes de abuso sexual de crianças e de pornografia de menores, a sujeição a termo de identidade e residência, divulgou a Polícia Judiciária de Leiria.

O termo de identidade e residência, a medida de coação menos grave, implica, para além da identificação e indicação de residência, que o arguido compareça perante as autoridades sempre que solicitado e não mude de residência nem se ausenta dela por mais de cinco dias sem aviso prévio da nova morada.

Segundo o coordenador da diretoria de Leiria da PJ, António Sintra, os crimes seriam praticados “no interior de instalações desportivas”, nas Caldas da Rainha, onde o detido, de 63 anos, é promotor de uma escola de taekwondo e defesa pessoal e instrutor de artes marciais.

Segundo a PJ, “a prática delituosa desenvolveu-se, pelo menos, durante o ciclo temporal correspondente ao último ano letivo”, envolvendo uma criança com idade inferior a 10 anos.

Em comunicado, a PJ informou ainda que foi efetuada uma busca domiciliária à casa do detido, na qual foram “detetados e apreendidos suportes digitais alojando ficheiros com origem na internet que contêm imagens pornográficas de crianças”.