As buscas da PJ nas instalações da Fundação "O Século" foram feitas na sequência da suspeita da prática dos crimes de peculato e de abuso de poder, de 2012 até à atualidade, segundo o Ministério Público.

Num comunicado na sua página na internet, a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa informa que no âmbito das diligências foi apreendida “documentação contabilística/financeira e de atas relevantes para o objeto da investigação”.

A PJ efetuou os mandados de busca e apreensão, emitidos pelo magistrado do Ministério Público da comarca de Lisboa Oeste, “no âmbito de processo de Inquérito, no qual se investigam, nomeadamente, a prática de condutas ocorridas entre 2012, até à presente data, suscetíveis de integrar a prática dos crimes de peculato e de abuso de poder”.

O presidente da fundação já disse estar de consciência tranquila e garantiu que não há irregularidades na gestão da instituição, aguardando com serenidade o resultado da investigação em curso.

Investiguem o que houver para investigar e ajam em conformidade. Não temos de ficar contrariados com as investigações”.

O processo prossegue na 3.ª Secção do DIAP (Departamento de Investigação e Ação Penal) de Sintra, da Comarca de Lisboa Oeste, coadjuvado pela da PJ/Unidade Nacional de Combate Corrupção.

Segundo a sua página na internet, a fundação tem como missão promover e contribuir para a criação de condições e oportunidades, que possibilitem não só o desenvolvimento sociocultural de crianças, como a assistência social a idosos e pessoas menos favorecidas ou em risco social.