logotipo tvi24

«Bruxo de Fafe» cria centro para «cura do espírito»

Seis quartos duplos, uma sala para consultas e ainda um espaço para a prática de exorcismos. Para acabar «com a desumanidade de ter que curar pessoas em público»

Por: Redacção / Emília Monteiro/Lusa    |   2008-08-17 15:21

Com seis quartos duplos para internamento e uma sala de «consultas» para os «doentes espirituais», o primeiro Centro de Ciências Ocultas português deve começar a funcionar até ao final do ano, gerido por Fernando Nogueira, conhecido como o «bruxo de Fafe».

«As obras de remodelação da antiga casa de habitação estão a ficar concluídas», disse à Lusa o responsável do Centro de Ciências Ocultas, que vai funcionar em Fafe.

Fernando Nogueira é conhecido como o «bruxo de Fafe» e, sobretudo, pelo «trabalho» que afirma ter feito ao Vitória Sport Clube, de Guimarães. «Se não fosse eu ter trabalhado tanto para afastar todos os males, o Vitória nunca tinha saído da crise», afirma.

O novo centro vai ter seis quartos duplos e várias salas para «tratamentos». «Cada quarto terá uma cama para a pessoa que está doente do espírito e outra para um acompanhante», referiu Fernando Nogueira.

Na casa onde vive e onde atende entre «40 a 50 pessoas por tarde», existe já um pequeno quarto para a prática de exorcismos. «É um espaço muito pequeno e acanhado e, a maior parte das vezes, tenho que atender as pessoas deitadas no chão do consultório ou da sala de espera», disse o «bruxo».

As novas instalações vão permitir «mais qualidade no atendimento aos doentes espirituais» e vão acabar «com a desumanidade de ter que curar pessoas em público e, muitas vezes, no chão».

Apesar de se considerar «bruxo», Fernando Nogueira, perante as Finanças, exerce a profissão de Astrólogo. «É uma pena que, nas Finanças, não exista no Código das Actividades Económicas o código de bruxo porque é isso que sou», frisou.

A abertura do espaço de internamento, de acordo com Fernando Nogueira, não está dependente de «nenhuma autorização especial». «Vou fazer os tratamentos que já faço agora mas com melhores condições e sempre na base das ciências ocultas e de chás que eu próprio elaboro», referiu.

O internamento não irá necessitar de apoio externo nem da contratação de funcionários, embora «existam doentes que tenham que ficar três ou mais dias a receber tratamento». «O meu consultório é no piso de baixo do internamento e os familiares dos doentes ficam com o meu número de telefone. Se precisaram de alguma coisa, é só telefonar», disse Nogueira.

«Ganho para o turismo da região»

Das dezenas de pessoas que atende diariamente, a maioria apresenta «problemas de espírito que não têm tratamento médico». «Não levo dinheiro pelas consultas, as pessoas só pagam o tratamento que recebem», salientou o bruxo.

Após 22 anos de «trabalho», Fernando Nogueira foi considerado pelo presidente da Câmara de Fafe, José Ribeiro, como um «ganho para o turismo da região» tal é o número de pessoas que o procuram.

Oriundos de todo o país e terras longínquas como a Polónia, os clientes do bruxo pedem «os mais variados tipos de ajuda». «Muitas vezes pedem-me ajuda para resolver problemas financeiros e eu mando-os trabalhar: os problemas financeiros só se resolvem com trabalho e não com bruxarias», afirma.

Partilhar
EM BAIXO: Fernando Nogueira, conhecido como «O Bruxo de Fafe»
Fernando Nogueira, conhecido como «O Bruxo de Fafe»

O que García Márquez escreveu sobre o 25 de Abril
Escritor colombiano escreveu três reportagens sobre a revolução em Portugal em 1975
Suspeito de balear quatro mulheres «cortou pulseira e fugiu»
Homem já tinha um processo de violência doméstica e estava proibido de contactar a ex-mulher
Dois polícias feridos em operação contra o tráfico de droga
Um suspeito não respeitou as ordens da polícia e com a sua viatura albaroou dois carros da PSP
EM MANCHETE
Morreu Gabriel García Márquez
Escritor colombiano, vencedor do Prémio Nobel em 1982, morreu aos 87 anos. Um dos maiores autores do século XX deixa ao mundo muito mais que «Cem anos de Solidão»
O que García Márquez escreveu sobre o 25 de Abril
Gabo: a «crónica de uma morte anunciada» pelo mundo