O incêndio que deflagrou na Sertã no domingo à tarde e alastrou para o concelho de Mação, distrito de Santarém, continua a lavrar esta terça-feira, estando a ser combatido por mais de 1000 operacionais, apoiados por mais de 300 viaturas.

O vice-presidente da Câmara de Mação, António Louro, indicou, à agência Lusa, que o incêndio provocou danos em várias construções e habitações, mas sem registo de vítimas -  nem mortos, nem feridos.

Sete aldeias foram evacuadas e uma, Feiteiras, estava, na noite de segunda-feira, rodeada pelas chamas, que impediam habitantes, ambulâncias e bombeiros de sair, uma situação que António Louro diz já ter sido ultrapassada.

Foi uma situação de grande risco mas foi ultrapassada. O fogo passou e as pessoas acabaram por ficar na aldeia, mas sem vítimas a lamentar”, afirmou.

Cerca de 100 pessoas tiveram de ser retiradas das suas casas e transferidas para lares da Misericórdia.

Segundo o vice-presidente da câmara, ainda não é possível quantificar quantas habitações ficaram danificadas, mas pelo menos duas na aldeia de Galega arderam.

Há uma série de habitações destruídas”, disse.

Pelas 09:30 estavam ativos dois grandes incêndios, ambos no distrito de Castelo Branco, que mobilizavam um total de 1.426 operacionais, apoiados por 458 meios terrestres e 13 meios aéreos, segundo a página da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC).

O maior dos dois é o que lavra em Mação, tendo deflagrado na Sertã no domingo à tarde, e entrado também no concelho de Proença-a-Nova. Este fogo é combatido por 1003 operacionais, 319 veículos e nove meios aéreos.

O outro fogo em Castelo Branco deflagrou na freguesia de Santo André das Tojeiras no domingo, tendo passado para o concelho de Vila Velha de Ródão. Este incêndio mobiliza 409 operacionaisl, 134 veículos e três meios aéreos.

 

Aviões espanhóis ajudam no combate às chamas

De acordo com a adjunta de operações da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, foram solicitados dois meios aéreos a Espanha para ajudarem no combate às chamas e foi também acionado o protocolo bilateral com Marrocos, mas ainda não há indicação sobre virá ou não algum reforço.

Podemos dizer que esta manhã a situação está um pouco mais calma do que ontem [segunda-feira] durante a tarde, mas os dois incêndios mantém-se ativos. Vamos ter também durante o dia de hoje algum vento, sobretudo nas terras altas, com rajadas de 75 quilómetros por hora e um aumento das temperaturas, o que não é muito favorável ao combate”, disse.

Patrícia Gaspar explicou também que não foi entretanto necessário evacuar mais aldeias, nem há estradas cortadas.

Ontem durante a tarde e início da noite foram sendo feitas evacuações de vários locais por onde o incêndio foi passando sobretudo na zona de Mação e houve de facto várias aldeias onde foi necessário proceder a uma retirada preventiva das pessoas. Estamos a falar das aldeias de Bairrada, Eira, Envendos, Casal Velho, Quebradas, Roda. Estamos a falar de uma área vasta onde existem várias povoações dispersas”, disse.

Segundo Patrícia Gaspar, parte destas pessoas regressaram às suas casas assim que as condições de segurança foram sendo restabelecidas.

Não é possível saber neste momento o número das pessoas. As retiradas foram temporárias e as pessoas acabaram por regressar às suas habitações.

A adjunta de operações adiantou ainda que hoje de manhã não há estradas principais cortadas devido aos incêndios.

Ontem [segunda-feira] foi necessário proceder a alguns cortes de vias para atuação dos meios e por segurança, mas neste momento temos indicação de que a A23 e o IC8 [que estiveram cortados na segunda-feira] foram reabertos. Não há indicação, neste momento, de vias principais cortadas”, concluiu.