O Bloco de Esquerda (BE) anunciou hoje ter questionado o ministério da Saúde sobre o possível encerramento do curso de medicina da Universidade da Beira Interior (UBI) como sequência das alterações hospitalares previstas em portaria.

No documento sublinha-se que «as alterações preconizadas pela Portaria n.º 82/2014 de 10 de abril, a concretizarem-se, farão perigar a continuidade da Faculdade de Medicina na UBI, uma vez que os hospitais que o suportam [o curso de Medicina] ficarão desprovidos de diversas especialidades fundamentais».

Os bloquistas recordam ainda que tal possibilidade já foi admitida pela Ordem dos Médicos e sustentam que, ficando inserido nas unidades de grupo I, o Centro Hospitalar Cova da Beira não exercerá, por consequência, «as valências de genética médica, farmacologia clínica, imunoalergologia, cardiologia pediátrica, cirurgia vascular, neurocirurgia, cirurgia plástica, reconstrutiva e estética, cirurgia cardiotorácica, cirurgia maxilofacial, cirurgia pediátrica e neuroradiologia».

Perante tais dados, o BE considerou «fundamental saber se está assegurada a continuidade do curso de medicina na UBI, em que moldes e com recurso a que unidades hospitalares é que esta acontecerá».