Bárbara Vara, filha de Armando vara, é arguida na Operação Marquês, o caso de justiça que envolve o antigo primeiro-ministro José Sócrates. 
 
A nova arguida é suspeita de ter recebido, nas contas que partilha com o pai na Suíça, um milhão de euros com origem no empreendimento Vale do Lobo, segundo o "Diário de Notícias". Dinheiro que terá passado por uma conta 'offshore' de Joaquim Barroca Rodrigues, administrador do Grupo Lena e também arguido no processo.
 
O interrogatório terá decorrido a 9 de outubro no Departamento Central de Investigação e Ação e Bárbara Vara terá ficado com o termo de identidade e residência.
 
De acordo com o mesmo jornal, o Ministério Público já deixou claro, em vários despachos, que Bárbara Vara poderia não estar a par de todos os negócios do pai, nem saber o motivo de tal transferência, que o Ministério Público atribui a ao financiamento feito pela Caixa Geral de Depósitos ao empreendimento de Vale do Lobo, no Algarve. A verba poderia ser, assim, uma comissão paga pelos promotores de Vale do Lobo a Armando Vara através do gestor do Grupo Lena.
 
Bárbara Vara junta-se assim ao pai e aos restantes oito arguidos, num processo que envolve José Sócrates por suspeitas de corrupção passiva, fraude fiscal e branqueamento de capitais.