Largas dezenas de pessoas cumpriram a tradição de tomar o primeiro banho de mar na praia de Carcavelos, Cascais, no primeiro dia do ano apesar dos avisos da Autoridade Marítima sobre a agitação prevista no mar.

António Santos, 93 anos, é um dos pioneiros desta tradição e alcançou hoje o 75.º banho no mar no dia 1 de janeiro.

São muitas as histórias que António Santos tem memorizadas destes primeiros banhos do ano, que começaram por iniciativa de um grupo de amigos em 1943.

Em 1942 lemos no jornal que dois malucos se mandaram ao Tamisa à meia-noite [de 01 de janeiro]. Em 1943 decidimos também entrar no mar no primeiro dia do ano”, contou António Santos à agência Lusa.

Desde 1943 até hoje têm sido muitos a juntar-se à iniciativa, uma experiência que os banhistas asseguram que traz benefícios para a saúde.

Inácio Abreu cumpriu hoje o seu terceiro banho de mar no primeiro dia do ano e afirma que se sente fisicamente “muito bem” com esta tradição, que a mulher acompanha do areal e apenas para “transportar a toalha”.

Não sei se é mania, mas a pessoa fica melhor. Gosto muito de nadar e não dispenso este mergulho”, disse Inácio Abreu, de 71 anos, contando que o mar de Carcavelos estava hoje mais quente do que nos anos anteriores, embora mais perigoso.

Cesarina Rocha também já mergulha no Ano Novo há três anos e sente igualmente os efeitos positivos na saúde: “é muito bom, nem me constipo nem nada. Sinto mesmo diferença na saúde, até nos ossos, sinto-me muito melhor”.

Mesmo os mais jovens sublinham as vantagens de começar o ano com um banho de mar, mesmo em dias mais frios. Hoje de manhã estava em Carcavelos um dia de sol e céu limpo, com temperaturas atmosféricas a rondar os 16 graus e com a água a cerca de 15 graus.

Assistimos na televisão há uns anos e foi algo que nos fascinou. Faça chuva, sol ou vento, vamos todos os anos, dissemos”, relata Gabriela que, juntamente com o habitual grupo de amigas, optou este ano por ir ao mar vestida de Mãe Natal.

Os trajes temáticos são outra tradição que estas amigas estão a juntar à do banho no mar. Depois de já terem experimentado a Capuchinho Vermelho e os fatos de banho dos anos 20, pensam que em 2019 irão vestidas de palhaças.

Os disfarces não são um exclusivo deste grupo de amigas. Aliás, muitos dos banhistas que hoje de manhã se aventuraram no mar de Carcavelos optaram por trajar de modo quase carnavalesco, aliando o vestuário ao espírito de animação vivido no areal daquela praia de Cascais.

Também houve banhos em Matosinhos 

Em Matosinhos, no Grande Porto, dezenas de pessoas também quiseram começar o ano de 2018 com um mergulho no mar na praia de Matosinhos, porque é tradição ou uma nova experiência, para limpar o corpo e a alma de 2017 e porque a água até não estava “assim tão fria”.

O mar é renovador de energia e é uma forma de começar o ano em grande forma”, contou Tânia Leandro, 36 anos, depois do primeiro mergulho na água que estava “ótima” e o mar “calmo”, apesar de alguma ondulação.

O alerta amarelo do Instituo Português do Mar e da Atmosfera, por causa das ondas de quatro a cinco metros, e os avisos da Autoridade Marítima Nacional não demoveram dezenas de corajosos que, com um mergulho no mar, quiseram começar o novo ano, sob o olhar atento de duas equipas do Sistema de Salvamento Balnear de Matosinhos.

Para o mergulho começaram a chegar à praia a partir das 10:00, até porque havia um evento criado na rede social Facebook para o efeito, embora nem todos se conhecessem.

Escolheram o melhor sítio para pousar a toalha e tirar a roupa e seguiram em corrida para a água do mar que até “está boa”. Um, dois mergulhos, algumas gargalhadas, tiraram uma ‘selfie’ e regressaram à toalha rapidamente para secar e vestir, até porque, com o vento, “está mais frio cá fora”, disseram.

Está melhor dentro de água que cá fora”, confessou Anabela Sampaio, 42 anos, que, com um grupo de amigas, foi pela primeira vez à praia de Matosinhos pela “experiência e aventura” e porque este “batismo” é a melhor forma de “começar o novo ano com resoluções novas e vida nova”.

Fazer coisas novas e “sair da zona de conforto” foi também o que levou Isabel Abreu e Raquel Pires até ao mar este ano pela primeira vez, tal como Isaura Costa que foi para fazer “companhia” a um grupo de amigos e até pensou que a água “ia estar mais fria”.

José Lopes, 43 anos, tem tido alguns “contratempos e azares” e, por isso, pela primeira vez, quis que 2018 arrancasse para um “novo ciclo” na água que, disse, “está ótima”.

Pela terceira vez, Ana Lopes regressou à praia de Matosinhos pela "tradição" de começar o ano no sítio que mais gosta, acompanhada de um grupo de “amigos e amigos de amigos” que assim, em “ambiente de convívio”, partilham a “aventura” do primeiro mergulho do ano.

A Autoridade Marítima Nacional (AMN) aconselhou a população que se abstenha de atividades ou passeios junto à costa e os tradicionais banhos de final do ano, devido às previsões de ondulação forte até à próxima terça-feira.

Ponta Delgada também foi à água

 

Nos Açores, dezenas de pessoas também deram as boas vindas ao novo ano, mergulhando na praia do Pópulo, em São Miguel. Uns, fiéis seguidores da tradição, outros, estreantes no banho.

Mário Cunha repete esta tradição há cerca de 10 anos integrado num grupo designado "Praia do Pópulo", que já vai a banhos no primeiro dia do ano "há muitos anos".

Impreterivelmente no dia 01 de janeiro cá estamos para o nosso banho. Faça chuva ou faça sol”, disse à agência Lusa, confessando ser "um fiel seguidor" da prática.

Após o seu primeiro mergulho do ano, Mário Cunha sustentou que este ano "o tempo até ajudou", mas lembrou que já houve anos em que o primeiro banho do ano se fez com muito mau tempo.

Hoje a água está ótima. Chega-se à praia e a água puxa-nos e isto é instantâneo. A nossa água dos Açores é quente”, afirmou, junto ao neto, que já segue as pisadas do avó, acompanhando-o no tradicional mergulho do primeiro dia do ano.

Estreantes, as amigas Raquel Dinis e Catarina Ferreira confessaram que há muito que prometiam um mergulho no primeiro dia do ano.

Mas este ano foi quando tomámos efetivamente a decisão e saímos de casa e viemos até à praia dar um mergulho”, contou à Lusa Raquel Dinis, salientando que "o mar limpa todas as energias negativas" do ano que terminou.

Ao lado, Catarina Ferreira confessou que o mar "é relaxante".

E precisamos disto para o resto do ano e o mar traz-nos boas energias", afirmou, elogiando a temperatura da água.

Para Jorge Silva, 58 anos, natural do Porto, mas residente no arquipélago há quatro, "o ambiente, a água dos Açores e a natureza" são elementos convidativos para um mergulho o ano inteiro.

Mas só este ano cumpri a tradição do primeiro mergulho do ano no primeiro dia do ano", explicou, ao som de tambores que se faziam ouvir na praia, onde desfilou também um grupo fantasiado, perante o olhar de muitos curiosos.