Um homem de 34 anos acusado de praticar cinco assaltos à mão armada confessou parcialmente a autoria dos factos na primeira sessão do julgamento que decorreu hoje no Tribunal de Aveiro.

O arguido confessou ter roubado um posto de abastecimento de combustíveis em Estarreja e um cabeleireiro em Ovar, nos dias 01 e 27 de janeiro deste ano, respetivamente.

"Os outros [assaltos] não me recordo de ter praticado. A vida que eu andava não era a melhor", disse o arguido, à data dos factos sem-abrigo e toxicodependente.

Perante o coletivo de juízes, referiu ainda ter usado uma arma de plástico para praticar os crimes, adiantando que nunca teve intenção de "matar ou aleijar alguém".

O homem, que se encontra em prisão preventiva, está acusado de cinco crimes de roubo.

O suspeito é reincidente neste tipo de crimes, tendo sido condenado em 2012 a uma pena de 11 anos e três meses de prisão, e estava em liberdade condicional quando ocorreram os factos.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), o arguido assaltou quatro bombas de gasolina entre 02 de dezembro de 2016 e 09 de janeiro de 2017 em Santa Maria da Feira, Estarreja e Vila Nova de Gaia, levando cerca de 1.500 euros em dinheiro e oito maços de tabaco.

De acordo com a investigação, o suspeito assaltou ainda um cabeleireiro em Ovar, a 27 de janeiro, roubando um porta-moedas e uma carteira da proprietária do estabelecimento, contendo 150 euros em dinheiro, cartões bancários, documentos pessoais e um telemóvel.

Nos roubos, o arguido usava óculos de sol, um cachecol no pescoço e um capuz na cabeça para não ser identificado e um objeto com características semelhantes às de uma pistola.

Em duas das situações, o arguido atuou acompanhado de outro indivíduo não identificado e numa das vezes chegou a ameaçar de morte um cliente e uma funcionária.