O Ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, disse esta terça-feira que Portugal «está muito melhor» quanto ao número de vítimas de sinistralidade rodoviária embora «ainda» esteja «abaixo» dos números da União Europeia, alertando que ainda há «muito caminho a percorrer».

Em Braga, para uma iniciativa da Capital Jovem da Segurança Rodoviária, Miguel Macedo apontou que a «Fiscalização» é também importante no combate à sinistralidade rodoviária e mostrou-se preocupado com o número de vítimas de acidentes em ambiente Urbano.

A cidade de Braga é em 2014 a Capital Jovem de Segurança Rodoviária, questão que assume particular importância naquele concelho uma vez que Braga «não é um bom exemplo» no que toca a atropelamentos.

«Temos tido um decréscimo significativo de vítimas mortais e de vítimas graves ao longo dos últimos 12 anos. Estamos muito melhor, desse ponto de vista, como país, do que estávamos há 12 anos, mas temos ainda um caminho a percorrer», apontou Miguel Macedo.

O ministro, que apontou a sinistralidade como um «preocupação importante», explicou que «há 11 anos tínhamos nas estradas portuguesas mais de 12 mil mortos» e que «hoje, com as estatísticas a trinta dias, temos menos de 600 mortos».

Segundo Miguel Macedo, «é um progresso muito grande do país» uma vez que com estes números Portugal «aproxima-se da União Europeia», muito embora, referiu, esteja «ainda abaixo dessa média europeia».

O titular da pasta da Segurança Rodoviária salientou a importância das campanhas de informação, alerta e prevenção de sinistralidade realçando que «também a fiscalização é muito importante».