O Tribunal de Matosinhos condenou, esta sexta-feira, dois homens a 11 anos de prisão por roubos em 12 bancos no Norte e Centro do país com uma pistola de plástico, levando cerca de 90 mil euros.

Não há dúvidas de que os arguidos praticaram os crimes. O que fizeram foi muito grave e, se não os tivessem admitido, a pena seria muito pior”, disse a magistrada do coletivo de juízes, durante a leitura da decisão judicial.

Os 12 assaltos aconteceram em 2015 em Viana do Castelo, Santa Maria da Feira, Esposende, Póvoa de Varzim, Vila do Conde, Braga, Albergaria-a-Velha, Tondela, Vila Nova de Gaia e Viseu.

Nos roubos, os arguidos, de nacionalidade italiana, usaram óculos de sol, perucas, gorros, chapéus e lenços para não serem identificados e, para assustar as pessoas, uma pistola de plástico, conseguindo cerca de 90 mil euros.

Os assaltantes foram detidos a 08 de setembro de 2015, data desde a qual estão em prisão preventiva, num acesso à Autoestrada 1 (A1), depois de um roubo a uma dependência bancária de Viseu.

Os homens, de 36 e 55 anos, confessaram integralmente os roubos, justificando-os com dificuldades financeiras, nomeadamente com dívidas ao Estado.

A juíza realçou que assaltar bancos em Portugal é um “crime grave”, algo desvalorizado pelos arguidos aquando da sua confissão.

Em Portugal há uma crise económica e social e, mau era, se para pagar as suas dívidas as pessoas andassem todas a roubar bancos”, considerou.

A presidente do coletivo de juízes lembrou que os assaltantes agiram em “coautoria, de forma organizada e metódica, não hesitando em usar uma arma, embora de plástico, para intimidar os clientes e funcionários dos bancos”. E realçou: “agiram sabendo muito bem o que estavam a fazer”.

À saída do tribunal, o advogado de um dos arguidos afirmou que vai estudar o acórdão e, depois, decidir se recorre. “Era uma decisão expectável e razoável”, sustentou Gil Balsemão.