“Este grupo fazia do roubo modo de vida e apresentava uma grande mobilidade, sendo frequentes períodos de ausência no estrangeiro, nomeadamente em Espanha e Itália, onde também tinham residência”, acrescenta a PJ.