“Era o último dia físico nas tesourarias para proceder ao pagamento de IRC das empresas do mês de Maio, anual. Naturalmente que há um movimento acima do normal”, explica João Machado, diretor dos assuntos fiscais, em declarações à TVI.





“As repartições de finanças não têm pura e simplesmente dinheiro nas suas instalações. Porque os valores que são cobrados ao longo do dia são recolhidos pelas empresas de segurança nesse mesmo dia e entregues nos respetivos bancos”