O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou este domingo que a nomeação do bispo de Leiria-Fátima, António Marto, como cardeal da Igreja Católica reconhece uma “exemplar trajetória biográfica e pastoral”.

Saúdo D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima, pelo anúncio da sua elevação ao cardinalato, decisão sábia e clarividente do Papa Francisco, que assim reconhece uma exemplar trajetória biográfica e pastoral”, lê-se num comunicado, assinado por Marcelo Rebelo de Sousa, publicado hoje no ‘site’ oficial da Presidência da República.

O Papa Francisco anunciou hoje que vai nomear 14 novos cardeais a 29 de junho, entre os quais o bispo português de Leiria-Fátima, segundo a agência Ecclesia.

Veja também: Bispo de Leiria "apanhado completamente de surpresa" com nomeação para cardeal

O chefe de Estado destaca que “o empenho de D. António Marto na reforma da Igreja, a sua profunda ligação a Fátima e aos seus mistérios, o cuidado na atenção aos outros e ao cumprimento diário da mensagem evangélica fazem dele um dos mais promissores novos cardeais”.

Na mensagem, Marcelo Rebelo de Sousa deseja a António Marto “as maiores venturas no exercício deste exigente múnus” e agradece ao bispo “o seu admirável testemunho de esperança e de humanidade, prestado perante crentes e não-crentes”.

Com a nomeação, António Augusto dos Santos Marto, 71 anos, torna-se o quinto cardeal português nomeado no século XXI e o segundo no atual pontificado.

Uma vez cardeal, António Marto juntar-se-á no Colégio Cardinalício, que reúne todos os cardeais da Igreja Católica e tem por missão assistir e aconselhar o papa, aos cardeais portugueses Saraiva Martins, Manuel Monteiro de Castro e Manuel Clemente.

O grupo de 14 novos cardeais inclui ainda o principal conselheiro do Papa, o arcebispo polaco Konrad Krajewski, conhecido pela ajuda aos sem-abrigo, e o arcebispo espanhol Luis Francisco Ladaria, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

O patriarca da igreja caldeia do Iraque, Louis Raphael i Sako, e o arcebispo de Carachi, no Paquistão, Joseph Coutts, dois países onde os cristãos são minoritários, vão igualmente ser nomados cardeais.

O grupo inclui ainda prelados do Peru, México, Bolívia, Madagáscar, Japão, Itália e Espanha.