A final do concurso «Chefe Cozinheiro do Ano 2014», que decorreu esta sexta-feira na Feira Internacional de Lisboa, distinguiu o chefe de cozinha António Loureiro, de 46 anos e natural de Guimarães, entre os oito finalistas em competição.

Em declarações à agência Lusa, António Loureiro, que trabalha atualmente no Mélia Braga Hotel & Spa, disse que apresentou a concurso «uma cozinha portuguesa com criatividade e muito sabor».

Foi o menu: entrada - «Horta e Capoeira», Prato de Peixe: «Bacalhau Negro», Prato de Carne:«"O Ossobuco, a Moleja e o Coração»; Sobremesa: «Feira Popular», que garantiu a atribuição do título deste ano.

O vencedor do «Chefe Cozinheiro do Ano» confidenciou que «este foi o segundo ano a participar» e, depois de no ano passado ter arrecadado o 4º lugar, pensou que «podia chegar mais longe».

«Era um prémio que queria conquistar, era um sonho para mim, não sei se vai mudar alguma coisa no futuro, logo se verá», explicou.


António Loureiro tenciona «para já continuar a trabalhar em Portugal, já surgiu a oportunidade para ir para o estrangeiro, alguns convites, mas não se proporcionou».

A 25ª edição do concurso nacional «Chefe Cozinheiro do Ano» distinguiu também em 2º lugar o chefe de cozinha Ivo Brandão, que trabalha na Pousada de Alcácer do Sal e em 3º lugar Rui Martins, que trabalha no Hotel Rali, em Viana do Castelo.

O Prémio Helmut Ziebell, que distingue o melhor cozinheiro na vertente de inovação, foi atribuído a António Barros, que trabalha no restaurante O Talho, em Lisboa.

De acordo com Nuno Mendes, presidente do júri do concurso, «foi uma luta renhida, que superou a expectativa com a qualidade dos concorrentes».

A final do «Chefe Cozinheiro do Ano 2014», uma iniciativa das Edições do Gosto - Inter, foi integrada na Portugal Agro, um evento de produção nacional para os sectores agrícola e agroalimentar, que decorre na FIL até domingo.

Para Paulo Amado, responsável pela organização, «o grande destaque desta edição é ser ao vivo, conseguir trazer cá para fora um concurso que andou sempre fechado nas escolas de hotelaria e faz todo o sentido, porque de facto os cozinheiros têm um destaque finalmente merecido».

Questionado por não haver mulheres entre os 8 finalistas a concurso, o responsável explicou que «não há tantas mulheres nas cozinhas, de vez em quando temos mulheres a concorrer, não é muito comum, mas é porque o trabalho de cozinha, agora sim já é mais atrativo para as mulheres, mas nem sempre foi assim».

O vencedor do «Chefe Cozinheiro do Ano 2014», António Loureiro, foi premiado com um cheque no valor de 1.000 euros e irá estagiar no restaurante Azurmendi, em Espanha, distinguido como o restaurante mais sustentável do mundo pelo The World´s 50 Best Restaurants.