A Associação Nacional de Sargentos da Guarda (ANSG-GNR) congratulou-se, esta terça-feira, com a nomeação do novo comandante-geral da GNR, que poderá significar «uma reviravolta de paradigma» e ajudar na recuperação da motivação dos militares da corporação.

«Com esta (r)evolução ao nível do Comando da GNR, a Associação Nacional de Sargentos da Guarda espera que se proceda a um corte ideológico caracterizado pelo estigma da frieza, autoritarismo, distância e individualismo, que acompanhava o comando cessante e mantinha há muito tempo uma relação desgastada tanto a nível interno como externo», refere a ANSG.

O comunicado da associação que representa os sargentos da GNR surge após o Governo ter nomeado o tenente-general Manuel Mateus Costa da Silva Couto para o cargo de comandante-geral da Guarda Nacional Republicana.

A nomeação de Manuel Couto, para suceder a Newton Parreira, que atingiu o limite de idade, mereceu o parecer favorável do Conselho de Chefes de Estado-Maior.

A Associação Nacional de Sargentos da Guarda acredita «numa reviravolta de paradigma» com o novo comandante da GNR, considerando que depositam nele «as maiores esperanças no combate ao destratar da condição de militar da Guarda», que está «desvalorizada».

Segundo a ANSG, os militares da GNR estão com uma «sobrecarga de horas de trabalho» e vivem «fatores de instabilidade ligados a reestruturações constantes» que têm repercussões nas colocações, além dos problemas ligados às promoções e desequilíbrios remuneratórios.

Na nota, a ANSG deseja ainda «competência e capacitação no reflorescimento de práticas voltadas aos interesses coletivos, da segurança interna, combatendo as ameaças destratadas sobre a GNR e os seus militares, que se querem reconhecidos, motivados e moralizados para continuar a desenvolver com qualidade o serviço público necessário à manutenção de um estado de direito democrático».

O tenente-general Manuel Couto, presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil desde novembro de 2012, vai regressar à GNR, onde desempenhou funções de comandante do Comando da Administração de Recursos Internos (CARI) da Guarda Nacional Republicana.