O presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), Manuel Machado, afirmou esta terça-feira, em Coimbra, que nem sempre têm sido cumpridas as condições acordadas com a tutela para o fecho de escolas.

«A ANMP reafirma o que tem dito sobre o processo de encerramento de escolas: nem sempre têm sido cumpridas, nem respeitadas, as condições que foram acordadas num passado recente», assegurou Manuel Machado, que falava aos jornalistas, depois de ter participado esta terça-feira numa reunião do Conselho Diretivo daquela associação, sediada em Coimbra.

Além disso, «têm sido divulgadas notícias que são desconformes com o que se tratou nas reuniões [da ANMP] com o Governo, nas reuniões com os senhores ministros das áreas envolvidas», salientou Manuel Machado, referindo que a associação a que preside precisa de «mais informação para saber o que está exatamente a acontecer».

Mas «este processo não pode ser resolvido com este tipo de procedimentos», advertiu o autarca socialista, que também é presidente da Câmara de Coimbra.

«Penso sobretudo que [o processo de encerramento de escolas] está a ser feito com grande aleatoriedade e falta de transparência», sustentou Manuel Machado.

A ANMP mantém «o apelo no sentido de que a intervenção na área da educação, que é especialmente sensível», seja «muito exigente, muito responsável por parte de todos os intervenientes» no setor.

«Para educar jovens, para termos uma sociedade melhor, é necessário que o exemplo surja de todos os lados», que «o exemplo seja dado por todos os intervenientes no processo educativo», sustentou.

«Nem sempre todos os protagonistas têm tido o cuidado» de proceder com «civilidade» no processo de fecho de escolas do primeiro ciclo do Ensino Básico, afirmou o presidente da ANMP.

Está acordado, entre o Governo e os municípios, que para mudarem de escola, por causa do encerramento de um estabelecimento, «os alunos têm mudar para melhor, para escolas com melhores condições de ensino, mas tem-se verificado que não tem sido respeitado na totalidade este princípio», sublinhou Manuel Machado.