A esmagadora maioria das farmácias de Lisboa e Porto vende antibióticos para animais sem receita do médico-veterinário, concluiu um levantamento realizado para a Ordem dos Médicos Veterinários (OMV) que será divulgado esta sexta-feira, Dia do Animal.

De acordo com este órgão representativo dos veterinários, o levantamento foi realizado por «uma empresa independente» depois de «um alargado conjunto de denúncias» dos seus membros, no sentido de que estariam a ser praticados certos atos por parte das farmácias, nomeadamente a possível prescrição e venda de medicamentos de uso veterinário sem receita médica, como antibióticos.

O estudo, que decorreu entre os meses de julho e setembro e incidiu sobre as cidades de Lisboa e Porto e zonas limítrofes, indicam que, em média, «cerca de 92% das farmácias» nestas regiões «vendem antibióticos para animais sem solicitar receita médico-veterinária».

Em média, apurou o estudo a cujas conclusões a Lusa teve acesso, «87% das farmácias vendem antibióticos sem qualquer solicitação de receita médica e, destas, mais de 50% sugeriram o tratamento para o animal e escolheram o antibiótico que venderam».

A OMV classifica a situação como muito grave e alerta para o impacto que estas práticas terão na saúde animal e humana.

Com este tema na agenda, a bastonária da OMV será recebida pelo diretor-geral da Saúde esta sexta-feira, dia em que se assinala o Dia do Animal e do Médico Veterinário.