As celebrações do Dia Nacional do Bombeiro Profissional, assinaladas em Coruche, ficaram marcadas por fortes críticas ao Governo, em particular à ministra da Administração Interna, acusada de “desleixo” e “falta de respeito”, por ausência de resposta aos “graves problemas” do setor.

Num discurso que acabou por fazer na ausência de Anabela Rodrigues - que cancelou a presença no evento na quinta-feira à noite e não designou qualquer representante -, o presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), Fernando Curto, considerou a atuação desta governante “um desastre total” nesta área.

“Há mais de 20 anos nunca tínhamos assistido a uma tão má governação, desleixo, falta de respeito, como tem sido a da senhora ministra da Administração Interna para com os bombeiros profissionais e consequentemente as populações”


Fernando Curto notou, segundo a Lusa, que é a primeira vez em oito anos que a cerimónia decorreu sem a presença de qualquer governante.

Em causa está o facto de o anteprojeto do Regime Jurídico dos Bombeiros Profissionais, elaborado no âmbito de um grupo de trabalho criado em janeiro de 2011 pelo então secretário de Estado da Administração Interna, Filipe Lobo d’Ávila (agraciado em 2014 com a medalha de mérito da ANBP), remetido às secretarias de Estado da Administração Local e da Administração Pública, não ter tido qualquer avanço desde então.

Os bombeiros profissionais foram “enganados por estes governantes”. O presidente da ANPB responsabilizou o primeiro-ministro, Pedro Passo Coelho, “por qualquer situação de risco que ocorra no país devido à falta de bombeiros”.

Segundo o mesmo responsável, faltam em Portugal mais de 5.000 bombeiros profissionais (correspondente ao número dos que se aposentaram), tendo em conta que os municípios estão impedidos de preencher as vagas.

“Este Governo é responsável pela falta de segurança que as populações vivem, pela insegurança dos próprios bombeiros e pela falta de apoio e financiamento às Câmaras Municipais”, disse, apontando ainda a falta de regulamentação para as carreiras dos bombeiros profissionais das associações humanitárias de bombeiros voluntários e dos bombeiros profissionais da Força Especial de Bombeiros.

Na cerimónia de hoje, cerca de 300 bombeiros provenientes de corporações do continente e Região Autónoma da Madeira (sapadores, municipais, profissionais das corporações voluntárias, Força Especial de Bombeiros e privativos) "deram o seu dia de folga" para constituíram a “formatura nacional”, que, dada a ausência da ministra, acabou por não ser passada em revista.

A sessão contou ainda com uma homenagem a todos os bombeiros falecidos em serviço e a entrega de condecorações, tendo o presidente da Câmara Municipal de Coruche, Francisco Oliveira, sido o agraciado deste ano com a medalha de mérito da ANBP pela “excelência do trabalho que vem desenvolvendo no seu município”.

O Dia Nacional do Bombeiro Profissional é celebrado a 11 de setembro (data do atentado às torres gémeas, em Nova Iorque), em memória dos bombeiros que perderam a vida durante operações de busca e resgate em cenários de destruição, morte e sofrimento, e visa “promover a valorização dos bombeiros profissionais, enfatizando a sua atividade profissional, cívica e de solidariedade”, afirma uma nota da associação.