A Amnistia Internacional (AI) inicia esta sexta-feira uma «Maratona de Cartas», uma campanha de alerta e solidariedade internacional que consiste no envio maciço de cartas em defesa de pessoas e comunidades, vítimas de violação dos Direitos Humanos.

A Amnistia Internacional Portugal associa-se a esta iniciativa apadrinhando quatro casos simbólicos em que a Declaração Internacional dos Direitos Humanos não está a ser respeitada: O jornalista etíope Eskinder Nega, condenado a 18 anos de prisão por pedir o respeito pela liberdade de expressão, a ativista cambodjana Yorm Bopha, o ativista bielorrusso pelos direitos dos homossexuais Ihar Tsikchanyuk e a comunidade de Nabi Saleh, na Cisjordânia, que apela para o fim da ocupação israelita.

Teresa Pina, diretora da AI Portugal, afirmou à agência Lusa que a organização espera superar as 42.800 cartas enviadas pelos portugueses em 2012, juntando-se aos dois milhões de cartas enviadas no resto do mundo com o objetivo de alertar e fazer pressão internacional pela defesa dos Direitos Humanos.

A juntar a esta iniciativa, que se prolonga até ao próximo dia 17, a AI Portugal organiza na terça-feira - Dia Internacional dos Direitos Humanos - o espetáculo Live Freedom II, no Teatro Tivoli, em Lisboa, com atuações de Sérgio Godinho, Luísa Sobral e Batida, que apadrinham alguns dos casos da «Maratona de Cartas».

Teresa Pina acredita que os portugueses são solidários com aqueles casos internacionais, apesar de serem de realidades distintas das suas.

«As pessoas parecem cada vez mais preocupadas com o seu futuro, mas, por outro lado, mantêm a capacidade de serem empáticas com causas muitas vezes distantes. Estes casos acontecem em países longínquos em circunstâncias que não dirão muito às pessoas, mas mantêm essa simaptia e solidariedade», afirmou.

Em Portugal, a «Maratona de Cartas» contará com o apoio de 25 núcleos da Amnistia Internacional Portugal espalhados pelo país e com a participação de 40 escolas.

Todas as informações sobre a «Maratona de Cartas» estão disponíveis em http://www.amnistia-internacional.pt/.

Este ano cumprem-se os 65 anos da Declaração Universal dos Direitos do Homem.

A iniciativa «Maratona de Cartas» aconteceu pela primeira vez há 11 anos.