A Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Torres Vedras retoma nesta sexta-feira às 20:00 seu funcionamento, depois de ter ficado parada a 1 de agosto por falta de médicos.

A informação foi adiantada pelo Centro Hospitalar do Oeste (CHO), como escreve a agência Lusa.

O veículo estava parado desde 1 de agosto, após ter sido lançado um novo concurso, ganho por uma nova empresa, a Randstad, que, por sua vez, não tinha médicos suficientes para completar as 24 horas diárias.

Fonte hospitalar disse à agência Lusa que a maioria dos médicos que assegura os turnos da VMER recusou trabalhar para a Randstad, porque foi-lhes proposto um corte de 20% na remuneração, valor mais baixo apresentado a concurso e que levou a empresa a ganhá-lo.

Em julho, vários médicos já tinham recusado trabalhar, deixando alguns turnos por preencher, por alegados atrasos no pagamento dos serviços.

Apesar disso, segundo dados obtidos pela Lusa junto de fonte hospitalar, a VMER esteve parada apenas em seis turnos de 12 horas de um total de 62 turnos, tendo efetuado cerca de 150 saídas.

A mesma fonte adiantou que os profissionais têm ainda por receber os salários de abril a julho.

Contudo, o CHO esclareceu hoje à Lusa que «não existe nenhum atraso no pagamento à empresa Emerge [anterior empresa prestadora do serviço] estando a ser respeitados todos os prazos de pagamento», correspondendo a um acordo de pagamento a 90 dias.

A Emerge não integrou o concurso porque, justificou o CHO, «não reunia as condições para tal, por não constar da lista de prestadores de serviço» do Ministério da Saúde.

Para preencher as escalas de 24 horas dos 365 dias por ano da VMER, são necessários 20 médicos e 18 enfermeiros.