O Tribunal Judicial de Braga condenou esta quarta-feira a dois anos e meio de prisão, com pena suspensa, uma antiga tesoureira da Segurança Social de Amares que alegadamente desviou cerca de 25 mil euros da instituição.

A suspensão da pena fica sujeita ao pagamento, por parte da arguida, daquele valor a todos os contribuintes que lesou.

No início do julgamento, a arguida, de 51 anos, atualmente a trabalhar em França como empregada de limpeza, confessou integralmente os factos e assumiu a intenção de indemnizar todos os lesados.

Os advogados chegaram a acordo, pelo que este foi um «julgamento relâmpago», não tendo o tribunal tido necessidade de ouvir nenhuma das 82 testemunhas de acusação arroladas pelo Ministério Público.

Segundo a acusação, a arguida recebia as verbas dos contribuintes e emitia segundas vias dos pagamentos já efetuados pelos mesmos em meses anteriores.

Essas guias eram entregues como se fossem recibos dos pagamentos que estavam a efetuar naquele momento.

O dinheiro ficava para a arguida, que se terá apoderado indevidamente de um valor próximo dos 25 mil euros.

Perante as queixas dos contribuintes, que entretanto foram sendo notificados de pagamentos em atraso, a Segurança Social instaurou, em novembro de 2011, um processo disciplinar à funcionária, que resultou na sua demissão.