A manutenção dos sistemas de ejeção dos aviões de treino Alpha Jet, da Força Aérea Portuguesa, vai custar 1,8 milhões de euros entre 2014 e 2017, refere uma portaria assinada pelos ministros da Defesa e das Finanças.

O diploma, assinado em abril por José Pedro Aguiar-Branco, ministro da Defesa, e Vítor Gaspar, então ainda ministro de Estado e das Finanças, e publicado em julho em Diário da República, autoriza «a celebração de contratos plurianuais para aquisição de componentes para os sistemas de ejeção das aeronaves, compradas em 1993 à Alemanha».

No total, a Força Aérea gastará 1,8 milhões de euros até 2017 (450 mil euros distribuídos por cada ano) nos Alpha Jet (atualmente menos de uma dezena em operação), que estão integrados na Esquadra 103 e servem para treinar os futuros pilotos dos caças F-16.

A portaria do Governo refere que esta aquisição da Força Aérea visa «assegurar a operacionalidade da frota Alpha Jet» e que «a aquisição, em tempo oportuno, de componentes para os sistemas de ejeção destas aeronaves é indispensável», noticia a Lusa.