logotipo tvi24

Algarve: 150 à procura de Maddie

Vasculham terra e mar em busca da menina britânica que desapareceu em Lagos. Procuram indícios e não descartam hipótese de estar morta. Voluntários também ajudam. Governo envia porta-voz para fazer ligação com os media

Por:
   |   2007-05-07 13:33

Os pais fazem conta ao tempo da ausência de Madeleine. São quase cem horas de incerteza desde que Maddie desapareceu na quinta-feira à noite do hotel Ocean Club, na Praia da Luz, em Lagos. Durante a angústia dos pais, as autoridades têm procurado de forma incansável por indícios da menina britânica, numa busca sem paralelo em Portugal.

Dezenas de elementos da Judiciária viajaram de Lisboa para Lagos; e há também três elementos da polícia britânica que estão a ajudar nas investigações. Aos 60 efectivos da PSP e GNR que passam a pente fino diversas localidades próximas de Lagos - como Pensafrim, Espinhaço de Cão e Espiche - juntam-se 30 populares que voluntariamente procuram pela menina de três anos e dezenas de bombeiros e elementos da Protecção Civil. Ao todo são 150 pessoas no terreno, à procura de Maddie.

Voluntários britânicos residentes em Lagos

Segundo a Lusa, os voluntários são britânicos, residentes na zona, e estão a ser coordenados pela GNR, enquanto percorrem a área de mato a norte de Espiche. Para cobrir todo o terreno, os vários veículos todo-o-terreno da Protecção Civil percorreram as margens da barragem da Bravura, e as zonas de Colinas Verdes e Sargaçal estão a ser inspeccionadas por homens e cães das patrulhas de busca e salvamento da GNR que viajou de Lisboa.

Raptor pode ser inglês

A PJ procura um homem suspeito de raptar Madeleine, e acredita que o indivíduo é britânico, com cerca de 1,70 e encorpado. Apesar de estar na posse de um retrato-robot, a Judiciária não divulga as imagens a não ser em interrogatórios junto dos populares. Com o passar dos dias, as autoridades não rejeitam a hipótese de que a criança inglesa possa ter sido assassinada. A Capitania de Lagos tem andado a fazer buscas entre a Ponte da Piedade e o Cabo de S. Vicente, com botes semi-rígidos, e o perímetro de busca foi alargado em cerca de quatro quilómetros para cada lado da Praia da Luz. Já o perímetro terrestre chega aos 15 quilómetros.

Maddie pode estar morta

Fonte da capitania de Lagos e Portimão explicou ao PortugalDiário que as autoridades esperam encontrar algo que os leve ao encontro de Maddie, mas não descartam a possibilidade de encontrarem o corpo da menina inglesa, desaparecida há quatro dias. Por isso, buscam por um saco que contenha provas - roupas, chinelos por exemplo - ou, na pior das hipóteses, o cadáver da criança.

Segundo o Jornal de Notícias, a Polícia Judiciária pediu auxílio ao SIS, que já trabalha em consonância com os serviços de informações espanhóis e britânicos. O trabalho das secretas, ainda segundo o matutino, centrar-se-á menos no terreno e mais no controlo de organizações ou de indivíduos isolados ligados ao sequestro de crianças ou mesmo de pedófilos.

Governo envia porta-voz para Algarve

O PortugalDiário sabe que ao final da tarde é possível que a PJ avance com mais informações, em conferência de imprensa, até porque há dois dias que não há dados oficiais provenientes da Judiciária.

A PJ tem agora um porta-voz para este caso: o Governo decidiu enviar para o Algarve o assessor do Ministério da Justiça para fazer a «ponte» entre os media e as autoridades, uma ligação muito criticada pelos jornalistas britânicos que acompanham o caso no local.

GNR faz buscas nos carros

A Brigada de Trânsito continua a montar operações stop nas estradas do oeste algarvio, verificando as bagageiras dos carros e o conteúdo das viaturas.

Pais podem ser acusados de abandono

Segundo o artigo 138.º, 2, Gerald e Kate MacCaan, os pais da pequena Maddie, podem ser acusados de exposição ou abandono de criança, o que pode levar a uma pena de prisão entre 2 a 5 anos. Recorde-se que os pais deixaram os filhos a dormir, enquanto foram jantar, e foi nessa altura que Maddie desapareceu do quarto no R/C onde descansava.

Partilhar
EM BAIXO: Madeleine McCann (a menina desaparecida)
Madeleine McCann (a menina desaparecida)

Detido em flagrante delito por pornografia de menores
«O indivíduo mantinha conversas via Skipe e Facebook com as menores, conversas que eram de cariz sexual, e, depois de ganhar a confiança destas, começava a solicitar fotografias e vídeos em poses mais atrevidas»
GNR desmantela complexo de produção de canábis
Foi ainda detida uma pessoa por suspeita de tráfico de droga
80 médicos constituídos arguidos por corrupção
Práticas estão relacionadas com a prescrição de aparelhos complementares de terapêutica e que totalizam 400 mil euros
EM MANCHETE
BES: Passos não vê razão para Estado intervir
Primeiro-ministro apela ao GES para negociar com credores e reitera que não é «matéria que diz respeito ao Estado». Banco de Portugal também garante que BES tem capital para assegurar impactos negativos
Soares dos Santos: situação no BES é «brutal, brutal, brutal»
Governo pode enviar militares para patrulhar golfo da Guiné