O INEM registou como “queda acidental” a causa dos ferimentos dos jovens, alegadamente, agredidos na esquadra da PSP de Alfragide em 2015.

Uma das vítimas tinha sido atingida com um tiro de bala de borracha numa perna.

Os novos dados são revelados, este domingo, pelo Diário de Notícias, que avança que os enfermeiros e médicos chamados à esquadra na noite de 5 de fevereiro receberam informação só dos agentes da PSP, que desvalorizaram os ferimentos das vítimas.

Estes elementos do INEM foram ouvidos pela PJ, que coordenou a investigação do DIAP da Amadora. No entanto, os testemunhos pouco ou nada contribuíram para fundamentar a tese do Ministério Público.

Na acusação é referido que os jovens sofreram agressões graves e foram sujeitos a tortura, sequestro e injúrias com motivação de ódio racial por todos os polícias.

Fonte do INEM contactada pelo DN garantiu ter "total confiança no serviço prestado pelos seus profissionais, incluindo na informação registada nos documentos clínicos que acompanharam as vítimas”.