Um homem de 38 anos confessou no Tribunal de Aveiro ter ateado um incêndio florestal em agosto de 2017 em Albergaria-a-Velha, junto aos estaleiros municipais.

O arguido, que à data dos factos trabalhava como cantoneiro na junta de freguesia de Albergaria-a-Velha, disse que agiu num quadro de embriaguez.

Os factos ocorreram na noite de 20 de agosto de 2017, em Assilhó.

De acordo com a investigação, o arguido deslocou-se para o local de bicicleta e ateou fogo a mato rasteiro com recurso a um isqueiro. O suspeito foi visto a sair da mata, por um automobilista, pouco depois de ter deflagrado o incêndio.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), o incêndio consumiu uma área florestal de cerca de 250 metros quadrados.

O MP diz que a área ardida não tomou maiores proporções devido à rápida chegada ao local dos bombeiros, os quais impediram que o incêndio alastrasse à mancha florestal que rodeia a área ardida, bem como às instalações dos estaleiros do município, a um centro de acolhimento de jovens carenciados e a um depósito de gás.

O arguido foi detido pela Polícia Judiciária dois dias depois do incêndio, encontrando-se desde então em prisão preventiva.