Foi uma noite de sobressalto a que se viveu em São Pedro do Sul, onde continua a monte o suspeito dos crimes de Aguiar da Beira

Segundo o major Pedro Gonçalves, em declarações aos jornalistas esta manhã, o suspeito dos crimes de Aguiar da Beira - Pedro Pinho Dias - continua por aquela zona e por isso mesmo o dispositivo policial foi reforçado.

A TVI sabe que o fugitivo está ferido.

Pensamos que o suspeito ainda se localiza nesta área. O mesmo estará apeado, pelo que as operações decorrem com alguma intensidade nesta área", afirmou o major, acrescentando que o "suspeito foi avistado ontem por volta das 15:00" e que depois disso "não houve mais qualquer avistamento".

No entanto, para Pedro Pinho Dias não será difícil manter-se escondido das autoridades uma vez que, segundo a mesma fonte, se trata de "uma pessoa que conhece muito bem o terreno" e que poderá ter "pessoas a ajudá-lo" a manter-se escondido: "é um indivíduo que é capaz de sobreviver durante alguns dias, uma vez que tem propriedades, tem pessoas que o poderão abrigar nesta área".

Segundo a GNR, o suspeito dos crimes, de 44 anos, estará fortemente armado, é considerado perigoso e está indiciado por outros crimes.

No terreno estão cerca de 200 militares, tendo sido feito um reforço do dispositivo policial no terreno, que inclui militares das várias valências da GNR (territorial, trânsito, investigação criminal, SEPNA - Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente e do GIOE - Grupo de Intervenção de Operações Especiais).

Depois da GNR ter pedido aos residentes de Candal, Póvoa das Leiras e Coelheira para se manterem nas residências, sobretudo à noite, enquanto decorriam buscas, aquela força de segurança informou, já nesta quarta-feira de manhã, que todos os residentes daquelas localidades podem regressar às suas atividades diárias, não sendo necessário manter aquelas medidas durante o dia.

"A GNR tem presente no local um forte dispositivo que pretende garantir, em primeiro lugar, a segurança de todos os habitantes”, refere o comunicado, que revela ainda que a Estrada Nacional 326, que faz a ligação entre as localidade de S. Pedro do Sul e Arouca, está aberta ao trânsito.

Um militar e um civil foram assassinados a tiro por Pedro Pinho Dias, que baleou ainda um outro militar e uma civil, que ficaram feridos com gravidade.

Segundo o gabinete de comunicação do Centro Hospitalar Tondela-Viseu à Lusa, o militar sofreu um traumatismo cranioencefálico, mas se encontra "estável e com evolução favorável". 

Já a mulher baleada pelo suspeito sofreu um traumatismo cranioencefálico grave, tendo sido intervencionada na tarde de terça-feira e ficado internada nos Cuidados Intensivos do Centro Hospitalar Tondela-Viseu. Encontra-se  "em estado crítico e com um prognóstico muito reservado".

Já na zona de Candal, S. Pedro do Sul, no distrito de Viseu, um outro militar da GNR foi igualmente baleado pelo suspeito, tendo sofrido ferimentos numa perna e tido alta ainda na terça-feira.